06/09/2008

Deste-me o que mais queria, o melhor que poderias dar. Deste-me a tua goela para a mão esquerda e uma faca para a mão direita. Deste-me o pesar de te amar e o ódio para te roer.

Que poderás tu fazer agora para além de me olhar?
Olha-me, por favor. Vês-me?
No teu mundo, sou feita de horas contrafeitas. De horas de mentira.
É a isto que chamas de sonho?

Não quero que te prepares.
OUVE-ME!
vou-te matar.
matar.
e tu vais morrer.
morrer.

Não é tudo tão poético, amor?