21/09/2008

Ivone Ruela.
Ela deu o primeiro passo.

Eram estas as duas frases que sustinham o sistema de crenças da minha mãe. Primeiro, a Ivone Ruela foi a pêga que lhe roubou o marido. Segundo, tinha sido ela a aliciar o meu pai e a levá-lo por maus caminhos.
O meu pai nunca teve culpa de nada. Se chegava bêbedo a casa a minha mãe dizia: Oh João, foram os amigos do trabalho que o obrigaram a beber... Né? Se vomitava, Oh João, os rojões do almoço caíram-lhe mal. Até mesmo quando ele lhe batia ela dizia Oh João, é o stress do trabalho, coitadinho... E eu não devia ter queimado as tostas, que estupidez a minha...
A minha mãe amava muito o meu pai mas isso não lhe salvou a vida, aliás, foi esse mesmo amor que a pôs na campa...
Deus tenha em paz a alma da minha mãe.
Deus castigue o meu pai e a pêga.