22/09/2008

O Rapaz do 9º andar, vejo-o sempre a fumar à janela, esteja chuva ou sol. Fuma tanto, como se quisesse asfixiar com o fumo... Não sei como se chama, não tem o nome na caixa do correio, nem sei como foi ali parar. É tão magro e pálido ao ponto de parecer doente, já lhe tentei sorrir mas ele apenas olha de volta para mim com o olhar mais líquido que vi. Não sei explicar, é como se todas as lágrimas do mundo estivessem naquele olhar. Temo pela manhã em que não mais o verei... Aos fins-de-semana vão pessoas ao apartamento dele mas não ficam por lá muito tempo e quando saem, eu vejo-lhes a frustração na cara. Já pensei em tocar na campainha, talvez partilhar um cigarro com ele mas temo que ele se atire da varanda à minha frente... Às vezes desejo partilhar da sua tristeza para que ele possa respirar sem ter tanta dor nos ombros.