26/11/2008

Eu sou a Ana, tenho 19 anos, ando em belas-artes. Cheguei ontem de Londres, fui lá passar 4 dias com mais 3 amigos meus, pagámos 300€ pela nossa estadia na Pousada da Juventude. Gosto de partilhar este facto para mostrar que sou uma miúda poupada e discreta. Hoje, já em Portugal, vim visitar um amigo meu a Braga, tem idade para ser meu pai e mantenho uma relação amorosa com ele.
No comboio, enquanto oscilava entre um leve dormitar e uma vã tentativa de estudar, uma miúda de aspecto rechonchudo e inquieto olhou-me e falou comigo. Perguntou-me acerca da minha máquina e se sabia como pôr a dela a funcionar. Pelo que ela me explicou, a máquina tinha emperrado há pouco. Era simpática e não fazia conversa de circunstância, mas à saída perguntou-me para onde ia, pediu-me boleia. Achei parvo da parte dela, estar a pedir boleia a uma desconhecida, mas eu sou uma miúda consciente e por isso não seria motivo de perigo.
Na estação, o meu amigo estava à minha espera, foi muito caloroso comigo, como sempre. A outra rapariga ficou confusa e perguntou-me se ele era meu pai, "Não, não é meu pai, é meu amigo." A rapariga continuou simpática no carro, fez-me algumas perguntas sobre Londres, e deixámo-la na beira da estrada, em frente à Universidade. Como era uma miúda um bocado desastrada, deu uma grande cabeçada ao sair do carro, sorriu muito para nós e agradeceu-nos pela boleia.