03/11/2011

Ela senta-se no comboio em busca de maridos. É essa a premissa de todas as viagens. Sentar-se ao lado de um homem, cheirá-lo, observar-lhe os movimentos, olhar a forma como este coloca os olhos em redor - será que prefere a janela ou a multidão que viaja no comboio? Por vezes estes homens estão acordados, outras vezes dormem. Hoje o seu marido dorme. Ela senta-se a seu lado, foi movida pelo caracol de cabelo loiro que lhe cai sobre a testa. Mantém a boca fechada enquanto dorme, não ronca, não se baba, julga-o um homem cuidado e que, mesmo nos seus comportamentos mais primitivos, mantém a postura.
A esposa junta a anca à do seu marido, sente o calor próximo. Depois da anca vem o toque entre as duas pernas, até agora desconhecidas. Comporta-se como se conhecesse o seu marido há tempo suficiente para que estes gestos não despertem desejo sexual exagerado. Para ela, isto é a melhor das carícias, o juntar das pernas, joelhos adjacentes. Coloca o seu pé por detrás do do seu marido. Ajusta a sua respiração à dele, fecha os olhos. Pensa no seu matrimónio. Adormece e a sua cabeça cai sobre o ombro do seu marido.